terça-feira, 4 de agosto de 2015

P.P.E. SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO E ANÁLISE DE DISCURSO I: INTRODUÇÃO - PPGEDU - 2015.02

O FRIO NA BARRIGA (assumido e não negado)
Primeiro grupo de orientandos. Frio na barriga. 
Sensação tonta de acolhimento, compromisso e solidão. 
Páginas percorridas em bisca de caminhos. 
Itinerários pensados. Descaminhos.
Algumas escolhas feitas. 
Outras à espera de retoques possíveis (e necessários) a serem pensados a partir do grupo nas tardes de quarta-feira.
Por enquanto, partilha de intenções, afetos, propostas e expectativas.  E, também, a partilha de nossa bússola na viagem desse semestre pelos percursos sem contornos regulares ou previsíveis do discurso.


A BÚSSOLA (e a eterna tentativa de controlar o sentido)

12 de agosto
Organização do projeto de dissertação
Modelo de projeto de Dissertação ou Tese disponível no site do PPGLET
ERNST-PEREIRA, Aracy; MUTTI, Regina Maria Varini. O analista de discurso em formação: apontamentos à prática analítica. Educ. Real., Dossiê Língua, discurso e sujeito na educação, Porto Alegre, v. 36, n. 3, p. 817-833, set./dez. 2011. Disponível em:

26 de agosto
Posição de sujeito analista de discurso: compromissos e tarefas
MITTMANN, Solange. Discurso e texto: na pista de uma metodologia de análise. Seminário de Estudos em Análise do Discurso (2: 2005: Porto Alegre, RS), Anais do II SEAD - Seminário de Estudos em Análise do Discurso [recurso eletrônico] – Porto Alegre: UFRGS, 2005. Disponível em: http://www.analisedodiscurso.ufrgs.br/anaisdosead/sead2.html
ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 10. ed. Campinas, São Paulo: Pontes, 2012. p. 57-92.  

09 de setembro
Itinerários teórico-metodológicos
TASCHETTO, Leonidas Roberto. Ressonâncias de ambivalência e resistência em sala de aula. Educ. Real., Dossiê Língua, discurso e sujeito na educação, Porto Alegre, v. 36, n. 3, p. 727-746, set./dez. 2011. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/18489

23 de setembro
Itinerários teórico-metodológicos
SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da. A dificuldade da matemática no dizer do aluno: ressonâncias de sentido de um discurso. Educ. Real., Dossiê Língua, discurso e sujeito na educação, Porto Alegre, v. 36, n. 3, p. 761-779, set./dez. 2011. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/18480

07 de outubro
Itinerários teórico-metodológicos
MUTTI, Regina Maria Varini. Indisciplina e discurso pedagógico: efeitos de sentidos diversos em confronto. Educação (PUCRS), Dossiê Educação, pesquisa e linguagem: encontros a atravessamentos, v. 37, n. 3, p. 347-358, set.-dez. 2014. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/18082

21 de outubro
Projeto de dissertação

11 de novembro
Projeto de dissertação

25 de novembro
Projeto de dissertação

Um bom semestre para nós, Eugênia, Marcos e Sandra!






segunda-feira, 3 de agosto de 2015

S.A. ANÁLISE DE DISCURSO: UMA FORMA DE CONHECIMENTO



Caríssimos parceiros e caríssimas parceiras das tardes de quarta-feira, um semestre de muitas leituras associadas a, talvez, certas perplexidades se aproxima... "Eu já escuto teus sinais", sr. semestre, lembrando "Anunciação" de Alceu Valença. Tenho certeza de que são bons sinais. Tenho certeza de que vamos compor uma obra respingada por boniteza e da qual escoem sentidos de aprendizagens, saberes e afetos.
Mais do que uma ementa que nos avisa o que nos aguarda:
"Estudo aprofundado do referencial teórico-metodológico da Análise de Discurso Francesa de Michel Pêcheux, com ênfase na abordagem de concepções fundamentais ao trabalho do analista de discurso: sujeito, língua, ideologia, discurso, interdiscurso, intradiscurso, formação discursiva, formação ideológica, formação imaginária. Estabelecimento de diálogo entre Análise de Discurso e Educação. Exploração de efeitos de sentidos de ser professor na contemporaneidade e dos processos de constituição das identidades docentes", 
que este semestre seja um acontecimento para cada um de nós.
Vocês são bem-vindos! Conto com vocês!
E compartilho nosso ROTEIRO AULA A AULA de modo a facilitar a organização de agenda de estudos, de vida, de trabalho de cada um de vocês.
Até 07 de agosto, os materiais estarão disponíveis numa pasta física no PRÓ-CÓPIAS. Alguns textos podem ser obtidos aqui. Foram disponibilizados links que permitem o acesso alguns dos materiais.

19 de agosto
Análise de Discurso – percurso histórico e reconfigurações
SANTOS, Sonia Sueli Berti. Pêcheux. In: OLIVEIRA, Luciano Amaral (org.). Estudos do discurso: perspectivas teóricas. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2013. p. 207-233.

 02 de setembro

Quadro teórico da AD – quadro epistemológico, concepções de história, ideologia, sujeito, sentido, discurso, língua

FERREIRA, Maria Cristina Leandro. O caráter singular da língua na análise de discurso. Organon – Discurso, língua e memória, Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 17, n. 35, 2003, p. 189-200.


16 de setembro
Quadro teórico da AD – concepções de discurso, interdiscurso, intradiscurso, formação discursiva, formação ideológica, formação imaginária, ideologia, sujeito
ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 10. ed. Campinas, São Paulo: Pontes, 2012. p. 23-55. 

30 de setembro
Quadro teórico da AD – condições de produção
PÊCHEUX, Michel; Análise automática do discurso. In: GADET, Françoise; HAK, Tony (orgs.) Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 2.ed. Campinas: Unicamp, 1993. p. 75-92.

14 de outubro
Quadro teórico da AD – formação discursiva
COURTINE, Jean-Jacques. O conceito de formação discursiva. In: COURTINE, Jean-Jacques.  Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCar, 2009. p. 69-98.
ZANDWAIS, Ana. Reconfigurando a noção de FD – deslocamentos produzidos a partir de um contraponto. Leitura, Maceió, Universidade Federal do Alagoas, n. 50, p. 41-59, jul./dez. 2012. Disponível em: http://www.seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/viewFile/1148/783
LEDOVATO, Luciana; LENZ, Cristiane. O conceito de formação discursiva – múltiplos olhares. Anais do VI SEAD, Porto Alegre, 15 a 18 de outubro de 2013. Disponível em: http://anaisdosead.com.br/6SEAD/PAINEIS/OConceitoDeFormacaoDiscursiva.pdf

04 de novembro
Quadro teórico da AD
PÊCHEUX, Michel; FUCHS, Catherine. A propósito da Análise Automática do Discurso: atualização e perspectivas. In: GADET, Françoise; HAK, Tony. (orgs.) Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 2.ed. Campinas: Unicamp, 1993. p.163-187.

 18 de novembro
Quadro teórico da AD
PÊCHEUX, Michel. Papel da memória. In: ACHARD, Pierre (org.) Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999. p. 49-57

02 de dezembro
Aspectos metodológicos da AD
ORLANDI, Eni P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 10. ed. Campinas, São Paulo: Pontes, 2012. p. 57-92.

 09 de dezembro
Aspectos metodológicos da AD
ELIAS, Carime; FRANCISCO, Deise; FISS, Dóris; GUSTDACK, Felipe. Entre o dizer o fazer: um exercício de análise do discurso. In: LEFFA, Vilson J; PEREIRA, Aracy E. (Orgs.). O ensino da leitura e produção textual: alternativas de renovação. Pelotas: EDUCAT, 1999. p. 109-128. 
FISS, Dóris Maria Luzzardi; BARROS, Rafael D´Ávila. Escola, currículo e identidades juvenis: efeitos de sentido no discurso de professores. Educação (Porto Alegre, impresso), v. 37, n. 3, p. 369-380, set.-dez. 2014. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/18084/12445  
FISS, Dóris Maria Luzzardi; VIEIRA, Lucas Carboni. Juventudes na escola: vozes e significações docentes. Revista Contrapontos - Eletrônica, v.14, n.3, set.-dez. 2014. Disponível em: http://siaiweb06.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/5791/pdf_58
RUSSO, Ângela. Memórias e saberes: afinal, que dia é hoje? Anais do III Simpósio Internacional sobre AD: emoções, ethos e argumentação, Belo Horizonte, Minas Gerais, 01 a 04 de abril de 2008. Disponível em: http://www.porsinal.pt/index.php?ps=artigos&idt=artc&cat=16&idart=139
SPIES, Joseane; FISS, Dóris Maria Luzzardi. Identidades docentes, charges e crise do/no magistério: efeitos de sentidos. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v.23, n.1, p.100-131, jan./jun. 2015. Disponível em: http://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/5637

16 de dezembro
Aspectos metodológicos da AD
ELIAS, Carime; FRANCISCO, Deise; FISS, Dóris; GUSTDACK, Felipe. Entre o dizer o fazer: um exercício de análise do discurso. In: LEFFA, Vilson J; PEREIRA, Aracy E. (Orgs.). O ensino da leitura e produção textual: alternativas de renovação. Pelotas: EDUCAT, 1999. p. 109-128. 
FISS, Dóris Maria Luzzardi; BARROS, Rafael D´Ávila. Escola, currículo e identidades juvenis: efeitos de sentido no discurso de professores. Educação (Porto Alegre, impresso), v. 37, n. 3, p. 369-380, set.-dez. 2014. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/18084/12445    
FISS, Dóris Maria Luzzardi; VIEIRA, Lucas Carboni. Juventudes na escola: vozes e significações docentes. Revista Contrapontos - Eletrônica, v.14, n.3, set.-dez. 2014. Disponível em: http://siaiweb06.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/5791/pdf_58 
RUSSO, Ângela. Memórias e saberes: afinal, que dia é hoje? Anais do III Simpósio Internacional sobre AD: emoções, ethos e argumentação, Belo Horizonte, Minas Gerais, 01 a 04 de abril de 2008. Disponível em:  http://www.porsinal.pt/index.php?ps=artigos&idt=artc&cat=16&idart=139
SPIES, Joseane; FISS, Dóris Maria Luzzardi. Identidades docentes, charges e crise do/no magistério: efeitos de sentidos. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v.23, n.1, p.100-131, jan./jun. 2015. Disponível em: http://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/5637
Boas leituras!
Bom semestre!











quinta-feira, 30 de julho de 2015

EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA - TURMAS B e E - 2015.02 - PROFA. DÓRIS FISS

Caríssimos parceiros e caríssimas parceiras de "terças e quintas insanas", espero que estejam bem e que tenham conseguido descansar um pouco neste recesso de inverno!
A fim de permitir que já se organizem para a Disciplina de EduContemp (como carinhosamente chamo a Educação Contemporânea), enviei, por e-mail, o PLANO DE ENSINO e estou disponibilizando, aqui, os textos a serem lidos ao longo do semestre. 
Peço que leiam o PLANO DE ENSINO, prestando especial atenção ao CRONOGRAMA DE ATIVIDADES e ao QUADRO DE AVALIAÇÕES. 
O CRONOGRAMA DE ATIVIDADES é nosso mapa da mina. Se vocês consultarem este quadro todas as semanas, tenho certeza de que não vão se perder ou se atrapalhar. Ele contém o ROTEIRO AULA-A-AULA DE TRABALHOS A SEREM PROPOSTOS.
O QUADRO DE AVALIAÇÕES também é muito importante porque vocês vão ler muitos textos e produzir muitos trabalhos e AS DATAS PRECISAM SER SEGUIDAS. 
Temos um semestre quase sem feriados, muitos textos a ler, muitos trabalhos a fazer. Será um bom semestre se cada um de nós fizer a sua parte. Com isto eu não vou me preocupar. Desde 2008, cada semestre me oferece a grata surpresa de conviver, por quase quatro meses, com licenciandos interessados e comprometidos. Não tenho dúvidas de que vocês também são assim.
Aproveito para acrescentar algo muito importante: Lucas Carboni Vieira e Murilo Anony são meus bolsistas, mas já estiveram no lugar que vocês vão ocupar daqui a pouco - o de alunos da EduContemp. Eles estarão conosco em diferentes momentos ao longo do semestre - ora presencialmente, ora virtualmente. Eles também fazem parte de nosso time!
Sejam bem-vindos a 2015/02.




















quinta-feira, 2 de abril de 2015

S.A. Docência e Discurso - links importantes para aprofundamento nos estudos

Anais do SEAD é uma publicação do Seminário de Estudos em Análise do Discurso, evento bianual, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Letras e ao Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e acontece em Porto Alegre, desde o ano de 2003.
Corpo editorial:
Maria Cristina Leandro Ferreira, Freda Indursky e Solange Mittmann
Contato: sead.discurso@gmail.com    ou    (51) 3308-7078
Secretaria do SEAD - Instituto de Letras da UFRGS - Sala 202
Caixa Postal Postal 15002 - CEP 91501-970 Porto Alegre/RS
O material está disponível no link:


Bakhtiniana - Revista de Estudos do Discurso, em formato eletrônico, bilíngue (português e inglês), foi criada em 2008 pelo Programa de Estudos Pós-Graduados em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem /LAEL-PUCSP e pelo Grupo de Pesquisa /CNPq Linguagem, Identidade e Memória, com a missão de promover e divulgar pesquisas produzidas no campo dos estudos do discurso. Semestralmente, reúne artigos, resenhas, traduções, debates e notícias de eventos científicos produzidos por pesquisadores doutores e/ou professores doutores vinculados a instituições de ensino superior e pesquisa nacionais ou internacionais. 
Ela pode ser acessa pelo link:


É um periódico semestral de Linguística patrocinado pelo Departamento de Linguística (DL) do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). 
Está aberto a contribuições sobre questões de interesse científico em qualquer sub área da Lingüística e em qualquer das seguintes línguas: português, inglês, francês, espanhol.
Os trabalhos submetidos são arbitrados por membros do próprio conselho e por assessores ad hoc. Além de artigos isolados, a revista aprecia propostas de organização de números monográficos por pesquisadores de reconhecida competência na área da Linguística em que se insere o número pretendido. Ela pode ser acessada pelo link:


S.A. Docência e Discurso
Michel Pêcheux e Michel Foucault
(em construção)

BARONAS, Roberto L. Formação discursiva e discurso em Foucault e em Pêcheux: notas de leitura para discussão, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Anais do V Seminário de Estudos em Análise do Discurso: o acontecimento do discurso - filiações e rupturas, Porto Alegre, 20 a 23 de setembro de 2011. Disponível em:
http://anaisdosead.com.br/5SEAD/SIMPOSIOS/RobertoLeiserBaronas.pdf

BARONAS, Roberto Leiser. Formação discursiva: vale a pena ainda lutar por ela. Estudos Linguísticos XXXIV, p. 732-737, 2005. [ 732 / 737 ]. Disponível em:

BARONAS, Roberto L. et al. Simpósio 49 - Língua, história e movimentos no discurso.
Disponível em:

SANTOS, Sidnay Fernandes dos. Resenha de: BARONAS, Roberto L. (org.). BARONAS, R. L. (org.). Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro & João Editores, 2007, 222 p.
Disponível em

VEDOVATO, Luciana; LENZ, Cristiane. O conceito de formação discursiva: múltiplos olhares. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Anais do VI Seminário de Estudos em Análise do Discurso: 1983-2013 - Michel Pêcheux - 30 anos de sua presença, Porto Alegre, 15 a 18 de outubro de 2013. Disponível em:



OUTROS TEMAS - direito, jornalismo, libras 
em construção)

LISOWSKI, Carolina Salbego. Análise do discurso e direito: considerações acerca dos depoimentos testemunhais do/no processo penal. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Anais do IV Seminário de Estudos em Análise do Discurso: 1969-2009 - memória e história da/na análise de discurso, Porto Alegre, 10 a 13 de novembro de 2009. Disponível em:





quarta-feira, 1 de abril de 2015

S.A. Docência e Discurso - 01.04.2015


The Dying Swan - A Morte do Cisne
por John Lennon da Silva


Primeiros passos dos analistas em formação...


Mais um video... agora de Paul Henry!


terça-feira, 31 de março de 2015

S.A. Docência e Discurso - 2015.01
Alguns trabalhos de Eni P. Orlandi

Eni P. Orlandi - Formada em Letras Anglo-Germânicas, professora de Filologia Românica e Lingüística na USP (1967/1978), e professora do departamento de Lingüística do IEL/Unicamp desde 1979. Coordenadora do mestrado em Ciências da Linguagem na Universidade do vale do Sapucaí (UNIVÁS). Foi professora visitante na Universidade de Paris III,na EHESS-Paris e na Universidade de Buenos Aires. Dedica-se sobretudo à análise de discurso, disciplina que introduziu no Brasil como tal. Tem atuado como pesquisadora do Labeurb desde 1993, do qual foi coordenadora 1993/2011. Sua área de interesse abrange a própria constituição teórica e metodológica da análise de discurso e seu desenvolvimento, a questão da interpretação, e a da relação sujeito/sentido/história/sociedade. Considera a relação do simbólico com o político como fundamental e especializou-se na consideração da ideologia em sua relação com a materialidade da linguagem. Seus objetos de trabalho têm sido variados, abrangendo desde a história do conhecimento e de constituição da língua no Brasil, os discursos sobre a língua, e, relativamente à cidade, o modo como, pela linguagem, se pode conhecer, compreender, interpretar e observar o funcionamento do espaço urbano, as políticas que nela se instituem e os modos de vida, assim como os movimentos da sociedade (e sociais) que aí se engendram. Dá especial atenção aos muros, às escritas urbanas em suas diferentes materialidades, ao grafismo, ás músicas urbanas, á dança, ao corpo e ao movimento de sentidos que fazem funcionar as práticas sociais que se instalam na cidade. Atualmente, coordena o grupo de trabalho "Saber urbano e Linguagem"; pesquisa o discurso eletrônico (Projeto e.urbano); coordena o projeto da ENDICI (Enciclopédia Discursiva da Cidade); coordenou também os projetos temáticos SPEU (Sentidos públicos no espaço urbano) e CAEL (financiados pela Fapesp) onde trabalhou o espaço público e a constituição dos sentidos, visando a significação do espaço e a espacialização dos sentidos, e com a constituição imaginária do consenso e as políticas de gestão da sociedade;é pioneira na pesquisa sobre o espaço da violência, na perspectiva discursiva; e tem-se dedicado à compreensão dos processos de identificação, de individuação do sujeito em uma sociedade capitalista na conjuntura atual, ou seja, marcada pela mundialização, pelo neo-liberalismo. Seu objeto de trabalho tem sido a delinqüência (menino do tráfico, terrorismo, migração etc) e a constituição histórica das cidades no território brasileiro e suas consequências políticas. Além disso, tem voltado suas pesquisas para a relação, discurso, espaço, acontecimento e processos identitários Tem publicado em revistas nacionais e internacionais assim como livros sobre os temas de suas pesquisas. Alguns deles são, por exemplo, Terra à Vista, A Linguagem e seu Funcionamento, O que é Lingüística (coleção Primeiros Passos da Brasiliense), Discurso e texto, Interpretação, Cidade dos sentidos, Análise de Discurso: princípios e procedimentos, As Formas do Silêncio, entre outros. Este último ganhou o prêmio Jabuti em Ciências Humanas e foi traduzido para o francês tendo sido coreografado por G. Appaix cuja coreografia "Je ne sais quoi" foi apresentada no Teatro da Bastilha em Paris. Seu projeto de pesquisa atual, em curso, é “A Casa e a Rua: uma relação política social de produção de sentidos”.


ORLANDI, Eni P. Sentidos em fuga: efeitos da polissemia e do silêncio. Disponível em:
https://www.youtube.com/watch?v=u0Y2KGVkm9U

O Programa de Pós-Graduação em Informação e Comunicação em Saúde (PPGICS), do Icict/Fiocruz, promoveu no dia 19 de agosto de 2014 a palestra Sentidos em fuga: efeitos da polissemia e do silêncio, com Eni Orlandi, precursora no Brasil da teoria de Análise do Discurso.
A VideoSaúde Distribuidora disponibilizou o vídeo da palestra em seu canal do Youtube.


Eni Orlandi fala sobre análise do discurso e linguagem em entrevista: "Significar com palavras é diferente de significar em silêncio".
Entrevista disponível em: 

Conferência de Eni Orlandi - V SEAD UFRGS Para onde vai a Análise de Discurso?


Entrevista realizada pela Profa. Dra. Raquel Goulart Barreto – UERJ.
TEIAS, Rio de Janeiro, ano 07, no. 13-14, jan/dez 2006. Pp. 01/07.
ANÁLISE DE DISCURSO: CONVERSA COM ENI ORLANDI






domingo, 22 de março de 2015

S.A. Docência e Discurso - 2015.01
LEITURAS

MUTTI, Regina Maria Varini. O primado do outro sobre o mesmo. Seminário de Estudos em Análise do Discurso (1.: 2003: Porto Alegre, RS). Anais do I SEAD - Seminário de Estudos em Análise do Discurso [recurso eletrônico] – Porto Alegre: UFRGS, 2003. Disponível em: http://www.analisedodiscurso.ufrgs.br/anaisdosead/sead1.html

ORLANDI, Eni. Discurso, imaginário social e conhecimento. Em Aberto, Brasília, ano 14, n. 61, jan./mar. 1994, p. 52-59. Disponível em:  http://www.emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/viewFile/911/817

ERNST-PEREIRA, Aracy; MUTTI, Regina Maria Varini. O Analista de Discurso em Formação: apontamentos à prática analítica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 36, n. 3, p. 817-833, set./dez. 2011. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/issue/view/1526

FISS, Dóris Maria Luzzardi; BARROS, Rafael D´Ávila. Escola, currículo e identidades juvenis: efeitos de sentidos no discurso de professores. Educação (Porto Alegre, impresso), v. 37, n. 3, p. 369-380, set.-dez. 2014. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/18084/12445

FISS, Dóris Maria Luzzardi; VIEIRA, Lucas Carboni. Juventudes na escola: vozes e significações docentes. Revista Contrapontos - Eletrônica, Vol. 14 - n. 3 - set-dez 2014, p. 542-568. Disponível em: http://siaiweb06.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/5791/pdf_58

CAREGNATO, Rita Catalina Aquino; MUTTI, Regina. Pesquisa qualitivativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2006 Out-Dez; 15(4): 679-84. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072006000400017

sábado, 21 de março de 2015

Biblioteca Virtual - Educação Contemporânea

CURRÍCULO, PERSPECTIVAS E PARADIGMAS

TEXTO 1 - GALLO, Sílvio. Currículo: entre disciplinaridades, interdisciplinaridades... e outras ideias. In: SILVEIRA, Érico da (org.). Currículo: conhecimento e cultura – Programa Salto para o Futuro. Ministério da Educação, Secretaria da Educação a Distância, Ano XIX, N. 1, abr. 2009. Disponível em: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000012193.pdf. Acesso em 05 de janeiro de 2015.
TEXTO 2 - SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências na transição para uma ciência pós-moderna. Estudos Avançados [online], Instituto de Estudos Avançados na Universidade de São Paulo. 1988, vol. 2, n. 2, p. 46-71. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v2n2/v2n2a07.pdf. Acesso em 05 de janeiro de 2015


CULTURAS JUVENIS

TEXTO 3A - CARRANO, Paulo C. R. & MARTINS, Carlos H. S. A escola diante das culturas juvenis: reconhecer para dialogar. Revista Educação (UFSM), v. 36, n. 1, jan/abr. 2011. 14 p. Disponível em: http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs-2.2.2/index.php/reveducacao/article/view/2910/1664
TEXTO 3A - LEÃO, Geraldo. Entre sonhos e projetos de jovens, a escola. In: DAYRELL, Juarez; MOREIRA, Maria Ignez Costa; STENGEL, Márcia (orgs.). Juventudes contemporâneas: um mosaico de possibilidades. Belo Horizonte: Editora da PUCMINAS, 2011. p. 99-115. Disponível em: http://www.pucminas.br/imagedb/documento/DOC_DSC_NOME_ARQUI20120704131151.pdf?PHPSESSID=ff5ed73f5caf66dee9ca6bed9c8697cb
TEXTO 3A DAYRELL, Juarez A. Escola como espaço sócio-cultural. In: ______ (org.) Múltiplos Olhares sobre educação e Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996. Acesso em 15 de março de 2011. Disponível em: http://portalmultirio.rio.rj.gov.br/sec21/chave_artigo.asp?cod_artigo=1068
TEXTO 3A – DAYRELL, Juarez A. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educação & Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1105-1128, out. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a2228100.pdf
TEXTO 3A – FISS, Dóris Maria Luzzardi; BARROS, Rafael D´Ávila. Escola, currículo e identidades juvenis: efeitos de sentidos no discurso de professores. Educação (Porto Alegre, impresso), v. 37, n. 3, p. 369-380, set.-dez. 2014. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/18084/12445
TEXTO 3A – FISS, Dóris Maria Luzzardi; VIEIRA, Lucas Carboni. Juventudes na escola: vozes e significações docentes. Revista Contrapontos - Eletrônica, Vol. 14 - n. 3 - set-dez 2014, p. 542-568. Disponível em: http://siaiweb06.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/5791/pdf_58
TEXTO 3A – FISS, Dóris Maria Luzzardi; VIEIRA, Lucas Carboni. Juventudes na escola: vozes e significações docentes. Revista Contrapontos - Eletrônica, Vol. 14 - n. 3 - set-dez 2014, p. 542-568. Disponível em: http://siaiweb06.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/5791/pdf_58


IDENTIDADES DOCENTES

TEXTO 3B - GARCIA, Maria Manuela Alves; HYPOLITO, Álvaro Moreira; VIEIRA, Jarbas Santos. As identidades docentes como fabricação da docência. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 45-56, jan./abr. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v31n1/a04v31n1.pdf
TEXTO 3B – TARDIF, Maurice. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Revista Brasileira de Educação, jan/fev/mar/abr 2000, N. 13, p. 5-24. Disponível em: http://teleduc.unisa.br/~teleduc/cursos/diretorio/apoio_5427_368/TARDIF_Saberes_p rofissionais_dos_professores.pdf
TEXTO 3B – TARDIF, Maurice e RAYMOND, Danielle. Saberes, tempo e aprendizagem do trabalho na escola. Educação e Sociedade, ano XXI, N. 73, dezembro/2000, p. 209-244. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v21n73/4214.pdf
TEXTO 3B – LÜDKE, Menga e BOING, Luiz Alberto. Caminhos da profissão e da profissionalidade docentes. Educação & Sociedade, vol. 25, n. 89, p. 1159-1180, set./dez. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v25n89/22616


VIOLÊNCIA E ESCOLA

TEXTO 3C - SANTOS, José Vicente Tavares dos. A violência na escola: conflitualidade social e ações civilizatórias. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 105-122, jan./jun. 2001. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ep/article/view/27857/29629
TEXTO 3C – ZALUAR, Alba e LEAL, Maria Cristina. Violência extra e intramuros. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 16, 45, fevereiro 2001, p. 145-164. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbcsoc/v16n45/4335.pdf
TEXTO 3C – CHARLOT, Bernard. A violência na escola: como os sociólogos franceses abordam a questão, Sociologias, Porto Alegre, ano 4, n. 8, jul./dez. 2002, p. 432-443. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/soc/n8/n8a16.pdf
TEXTO 3C – ROLIM, Marcos. Justiça restaurativa: para além da punição. In: ______. A Síndrome da Rainha Vermelha: policiamento e segurança pública no século XXI. Zahar, Rio de Janeiro, 2006. (Texto digitalizado)
TEXTO 3C – LEAL, Maria Angélica. A experiência do uso da justiça restaurativa na Escola Dolores Alcaraz Caldas. Centro Universitário Ritter dos Reis, Faculdade de Direito, Porto Alegre, 2012. (Texto digitalizado)


PLANEJAMENTO

TEXTO 4 – FREIRE, Paulo. A dialogicidade – essência da educação como prática de liberdade. In: ______. Pedagogia do oprimido. 21ª. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993. 26 p. (Texto digitalizado
TEXTO 5 – HERNANDEZ, Fernando & VENTURA, Montserrat. Os projetos de trabalho: uma forma de organizar os conhecimentos. In: ______. A organização do conhecimento por projetos de trabalho: o conhecimento é um caleidoscópio. 5. Ed. Porto Alegre: Artmed, 1998. p. 61-84. (Texto digitalizado)


Um pouco dos caminhos... em imagens...








Educação Contemporânea - uma história para nunca acabar...

Primeiras horas de outono e já fico a imaginar os espaços e tempos a mudarem. Um certo dourado sutil a matizar dias e noites. Sopros de um vento que acalma o coração e nos abraça a granular os caminhos. A vida seguindo seu fluxo, nas terça e quintas "insanas", com algumas dezenas de licenciandos e licenciandas com quem passo a compartilhar "palavras, guardadas em velhos frascos de cristal", que estavam a nossa espera para, tal qual espelhos, se desmanchar em faíscas que têm nome. 
Um nome grande - EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA: CURRÍCULO. DIDÁTICA, PLANEJAMENTO. 
Um nome que se desdobra e vive nas expectativas e frustrações de cada um, nos desejos, nas (in)certezas, no jogar-se de uma mesa nos braços dos colegas, no inventar uma máquina, no novelo de lã, nas rodadas de conversa, nas oficinas, nas vozes misturadas nas quais reverberam diferentes sotaques sociais e culturais, variadas (des)crenças, (in)tensos modos de se descobrir produtor de saberes docentes desde já e desde sempre. 
Um nome que lembra deslocamento para uma escola-parceira na zona sul, piquenique noturno na FACED, café expresso e... paradigmas, perspectivas curriculares, culturas juvenis, identidades docentes, violência na/da/à escola, planejamento, avaliação.
Um nome que lembra muitos colegas da educação básica com quem a docência é compartilhada em mais de um encontro ao longo do semestre.
Um nome que lembra entre-lugares, equívocos, surpresas, sentidos outros, autorias, artistagens.
Um nome que lembra 
INVENÇÃO DA DOCÊNCIA,
DOCÊNCIA COMO ESCRITA DE SI.
Um nome que lembra "A casa das palavras" de Eduardo Galeano.
Casa das palavra que ofereço à leitura de todos com um convite: que essa casa tenha nosso jeito e que, nela, possamos aprender uns com os outros, reconhecendo a potência dos saberes que circulam e chegam até nós por meio de tantos caminhos, mestiçados por tantas cores.

A casa das palavras
Na Casa das  Palavras, sonhou Helena Villagra, chegavam os poetas.
As palavras, guardadas em velhos frascos de cristal,
esperavam pelos poetas e se ofereciam,
loucas de vontade de ser escolhidas:
elas rogavam aos poetas...
que as olhassem... as cheirassem... as tocassem... as provassem!
Os poetas  abriam os frascos,
provavam palavras com o dedo e então...
lambiam os lábios ou fechavam a cara.
Os poetas andavam em busca de palavras que não conheciam,
e também buscavam palavras que conheciam e tinham perdido.
Na casa das palavras havia uma mesa das cores.
Em grandes travessas as cores eram oferecidas,
E cada poeta se servia da cor que estava precisando:
amarelo-limão ou amarelo-sol,
azul do mar ou de fumaça,
vermelho-lacre, vermelho-sangue, vermelho-vinho...


QUE ESTE SEJA MAIS UM SEMESTRE DE HISTÓRIAS PARTILHADAS, DOCÊNCIAS INVENTADAS E AMIZADES DESCOBERTAS... AMIZADES ENTRE NOSSOS SABERES.